Voluntariado: Guia básico de sobrevivência

Por Silas Payão

Antes de começarmos gostaria de salientar que o termo Voluntariado para o que este texto vai descrever está empregado erroneamente, porém, como esta “coisa” já se tornou brasileiramente conhecida desta forma, vamos utilizar essa palavra mesmo.
O correto seria Work Exchange, onde se trabalha em troca de algo, e não voluntariado, onde se trabalha por espontânea vontade sem esperar nada em troca.

Levando a informação acima em consideração, partimos!

O que é Voluntariado

Voluntariado ou Work Exchange é a troca de serviços por algo do seu interesse, em sua vasta maioria, é a troca de serviços por hospedagem e, em alguns casos, alimentação.

Os serviços variam bastante, desde trabalhar na recepção de um hostel até a construir uma casa biodegradável.
A carga horária de serviço também varia bastante, podendo chegar até 10 horas ou mais por dia.
Cabe a você julgar se o que é exigido em relação a serviços e horários é compatível com as bonificações que você irá receber.

Voluntariado em Valle del Elqui

Voluntariado em Valle del Elqui

Em todo caso, na maioria das vezes, o trabalho voluntário ou work exchange varia de 5 a 7 horas por dia, com dois dias livres na semana, incluindo alguma refeição, seja café da manhã, almoço ou janta.

 

Para quem serve o voluntariado

O trabalho voluntário é vastamente usado por viajantes a longo ou curto prazo, que buscam economizar o máximo possível durante sua viagem, desta forma não precisam pagar por acomodação e em algumas vezes, nem por sua alimentação.

Este tipo de trabalho também é muito utilizado por viajantes que buscam uma elevação espiritual ou moral, ajudando em boas causas, como retiros espirituais, fazendas orgânicas, igrejas, etc.

Além disto, este tipo de trabalho proporciona uma imersão cultural muito maior do que você poderia ter como um simples hóspede por exemplo.

Para nós, todos estes pontos são primordiais. É óbvio que o fator DINHEIRO conta muito, mas a imersão cultural e a possibilidade de conhecer novas pessoas e lugares chega a ser maior que o primeiro citado.

 

Guia básico para voluntariado

Nós já fizemos alguns serviços voluntários e podemos ajudar você, com suas principais dúvidas e dando algumas dicas básicas de sobrevivência, tanto para você quanto para o lugar em que você for trabalhar.

Neste guia vamos te dar alguns puxões de orelha e avisos para que nem você e nem o local em que você fará o voluntariado saiam perdendo.

 

Plataformas de Voluntariado e Work Exchange

Existem diversas plataformas que te ajudam a encontrar serviços voluntários, algumas com serviços específicos e algumas com serviços variados.
Vamos listar abaixo as 3 mais conhecidas no Brasil, porém, você pode pesquisar e encontrar muito mais:

  • Worldpackers
    Plataforma brasileira de voluntariado e work exchange
    Todo tipo de serviço
    Preço: Em média 40 dólares anuais
  • Workaway
    Plataforma mais antiga de serviços voluntários
    Todo tipo de serviço
    Preço: Em média 40 dólares anuais
  • WWOOF
    Plataforma de work exchange específico em fazendas e pequenas produções
    Serviços gerais em fazendas, como agropecuária, cuidado de animais, etc.
    Preço: De 10 a 35 euros anuais

Depois de muito pesquisar, nós fizemos o cadastro na Worldpackers, não somente pelo fato de ser uma plataforma brasileira, mas por ser a única (até o momento que estamos escrevendo) que te dá garantias caso algo não dê certo, por exemplo:
– Caso o serviço não esteja de acordo com o que estava previamente listado no site
– Caso você sofra algum tipo de abuso em relação as tarefas
– Etc.

Nestes casos, o Worldpackers se compromete a tirar você do local onde estava trabalhando e paga até 3 diárias em algum outro local, para você ter tempo suficiente para conseguir outro voluntariado ou decidir o que irá fazer.

 

Deveres no voluntariado

Antes de mais nada, você deve saber que precisa trabalhar para ter os benefícios, e cumprir com seus deveres é o mínimo esperado.
Como falamos acima, já fizemos diversos voluntariados e em muitos deles encontramos pessoas que faziam os serviços “nas coxas”, mal feito, o que acabava prejudicando não só o local mas também os outros voluntários, que ficavam com a sobrecarga de serviço.
Portanto, um pedido sincero de mochileiro, não façam isso.
Se você se comprometeu com o serviço, faça valer a pena.

 

Não desmarque em cima da hora

Os locais que aceitam voluntariado dependem muito dos voluntários para manter a ordem, e quando alguém desmarca em cima da hora ou simplesmente não aparece, problemas muito sérios podem acontecer.
Não é simples para eles encontrarem alguém para te substituir da noite para o dia sendo que já estavam contando com você para o quadro de ajudantes.

Pense bem antes de fazer uma aplicação para algum lugar, e caso o faça, evite ao máximo ter que cancelar.
Nós compreendemos que imprevistos podem acontecer, mas faça de tudo o possível para não cancelar, e caso seja realmente necessário, avise com pelo menos 3 dias de antecedência, assim o host poderá buscar algum novo voluntário.

 

Respeite os outros voluntários e staff

Dificilmente você vai chegar em algum lugar que já não tenha voluntários, portanto, demonstre respeito.
Não estamos falando de abaixar a cabeça e aceitar ordens de tudo o que ele mandar você fazer, mas provavelmente é ele que vai te ensinar os serviços que você irá fazer e também todas as manhas do local.

Nós nunca tivemos problemas com outros voluntários querendo ser “espertões” para cima de nós, mas também vale ficar atento: Só faça o que for sua obrigação durante seu horário de trabalho.
Já ouvimos casos de quem voluntários antigos deixavam os novatos fazerem todo o trabalho pesado.

Um hóspede canino no nosso voluntariado em Valparaíso - Chile

Um hóspede canino no nosso voluntariado em Valparaíso – Chile

 

Mantenha sua bagunça organizada

Nós sabemos que quem viaja com mochilão precisa ter um canto de bagunça no quarto, afinal, quando você chega em algum lugar, geralmente precisa garimpar as coisas que vai precisar. rs
Mas, pelo bem de todos, evite deixar tudo jogado no quarto, dificilmente você estará sozinho em um quarto, já que na maioria das vezes os locais separam uma habitação só para voluntários.

Uma dica importante em relação a manter as suas coisas organizadas, é que também é mais seguro.
Se algo sumir em meio a sua bagunça você demorará para perceber, pelo contrário, se mantém tudo organizado, logo notará e poderá tomar providências.

 

Dê o seu melhor no serviço

Como falamos acima, se você deu o “aperto de mão” na hora de fazer a aplicação para um voluntariado, nada mais honrável do que fazer o seu melhor no trabalho, portanto, nada de moleza na hora do trabalho.

Por experiência própria, os serviços que nos são dados no voluntariado são bastante simples e não exigem grande esforço, salvo aqueles em que se trabalha em obras, portanto não vale a pena você querer ser esperto e não trabalhar.
Você na verdade não ganhará nada com isso e ainda correrá o risco de ser expulso.
Para um mochileiro, nada é mais vergonhoso do que ser expulso de um host por não ter honrado seu serviço voluntário.

Agora que vocês já sabem os seus deveres como voluntário, vamos falar dos benefícios, e esses sim, são espetaculares!

 

Benefícios no voluntariado

Nós começamos pelo chato que são os deveres para guardar a melhor parte para o final!
Geralmente, preste atenção, geralmente, os benefícios valem muito a pena no voluntariado.
Além de você ter a acomodação e uma refeição ou outra, muitas coisas boas ainda podem surgir de um serviço voluntário.

 

Acomodação

De praxe, esse é o principal motivo pelo qual se faz voluntariado.
Em uma viagem, cerca de 60% do seu orçamento vai só para pagar hospedagem, e nesse ponto nos levamos essa vantagem: Temos 60% de grana a mais para gastar na viagem.
É claro que você não terá todo tempo livre para fazer as coisas, mas poderá aproveitar bastante sem gastar muita grana.
Como as horas de trabalho não costumam passar de 6 por dia, é totalmente possível no restante do dia você ir passear em algum ponto turístico, isso sem falar nas folgas.

 

Refeições

Aqui tá a chave da coisa.
Geralmente os locais fornecem uma ou mais refeições, e mesmo que não encontre, facilmente você consegue minimizar os gastos pois a staff costuma cozinhar junta e assim todos comem juntos, economizando.
Além disto, se você ficar em hostels, é muito comum existir um setor de “free food”, que os viajantes deixam para trás antes de seguir viagem.
Podemos confessar que dificilmente gastamos com comida enquanto estávamos trabalhando em hostels. Só gastávamos quando queríamos comer algo diferente.

Dificilmente você vai passar fome em um hostel.

 

Conhecer a cultura aos olhos locais

Este é um ponto forte no voluntariado.
Você terá a oportunidade de conhecer a cultura aos olhos de locais, afinal, estará “morando” no lugar por certo tempo.
Assim você poderá conhecer tudo sobre a cidade, sua história, melhores lugares para comer por um preço justo, melhores festas, como economizar nos passeios, etc.
Nós conseguimos economizar bastante por causa disto. Sempre soubemos os melhores lugares para comer, quais ônibus pegar, lugares não turísticos que valem a pena, festas grátis, etc.

 

Achado não é roubado

Essa é uma coisa que pouco se fala, mas resolvemos abrir o jogo.
Na viagem, nós buscamos sempre além de conhecer novos lugares e culturas, melhorarmos como seres humanos, por isso evitamos ao máximo fazer coisas que sabemos que é errado, e entendemos que vocês também, além de uma viagem cultura, busca fazer uma viagem espiritual.

Levando isso em consideração, não roubamos nada, nunca, nem um club social.

Porém, como nem todo mundo toma cuidado com seus pertences, ou na maioria das vezes opta por deixar para trás, é muito comum você encontrar diversas coisas que podem ser muito bem utilizadas por você.
E quando alguém “esquece” algo, é muito difícil de voltar para buscar pois estão viajando e provavelmente já partiram daquele local.

Mas prestem atenção, nós não estamos falando para você pegar tudo o que vê pela frente.
Caso encontre algo que é do seu gosto, se certifique VÁRIAS vezes de que não é de ninguém que está no hostel, e por garantia, o guarde e espere pelo menos 3 dias antes de “pegar” literalmente para você.

Outra coisa importante é você só ficar com o que encontrar se realmente for necessário, senão deixe para que outro o utilize, seja voluntário ou hóspede mesmo.

Nós já encontramos diversas coisas: toalha de banho, chinelo, tênis, óculos de sol, protetor solar, mochilas, etc.

Não esperamos que isso soe como errado da nossa parte, pois estamos dando dicas e frisamos muito na parte em se certificar de que o objeto não seja de ninguém que esteja presente por pelo menos os últimos 3 dias no local.

Se você iniciar seu mochilão, vai ver que isso é comum e acontece em todos os lugares.

E você, já fez voluntariado em algum lugar? Sabe mais alguma dica que não está aqui? Conta pra gente nos comentários!

Você também pode gostar disso

Comentar